Edição do dia
Qui, 24/08/2017 | Atualizado em: 24/08/2017 às 05h00

Tempo de tela: busque o equilíbrio.

Cleane Lima*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

O acesso muito precoce - e sem controle - de crianças a aparelhos eletrônicos pode causar atrasos no desenvolvimento infantil, desde o processo de fala até problemas de visão, que pode estar associado a baixo rendimento escolar.

Segundo a coordenadora do departamento de pediatria do Hopsital Santa Izabel, Rita Mira, a relação que a criança tem com os dispositivos é unilateral, com linguagem limitada, atendo-se apenas ao movimento das mãos . "As telas não estimulam a progressão da fala e a criança pode perder o desenvolvimento intelectual e cognitivo", alerta.

A oftalmologista Claudia Galvão, vice-presidente da Associação Bahiana de Medicina, alerta que o excesso de exposição às telas também prejudica a visão, a começar pelo ressecamento do olho. "Com foco no aparelho, a criança diminui a frequência do piscar, responsável pela lubrificação dos olhos. O ressecamento pode causar ardência, irritação e, a longo prazo, induzir um grau de miopia temporária", explica.

No caso da visão, as especialistas advertem que esses problemas frequentemente afetam o rendimento escolar."A criança pode não enxergar direito e isso interfere na aprendizagem", diz Dra Claudia.

Na opinião da pediatra, porém, o isolamente social provocado pelos eletrônicos é o que mais preocupa. "Os relacionamentos virtuais são frios e podem causar atrasos na relação afetiva e até interferência emocional e comportamental nas crianças. É preciso fugir dessa limitação do mundo virutal e experimentar o mundo real", finaliza Dra. Rita.

* Sob a supervisão da editora-coordenadora Ana Paula Ramos.