Edição do dia
Qui, 10/08/2017 | Atualizado em: 10/08/2017 às 05h00

Mistério Sumiço de guris é puro desespero

Raul de Aguilar
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Pedidos de agilidade nas buscas e investigação marcaram o protesto de familiares e amigos de Uenderson Silva Santos, 15, e de Felipe Nascimento, 13, na tarde de ontem, na porta da 18ª DT, em Camaçari.

Os adolescentes desapareceram na tarde do último sábado (5), quando saíram do conjunto onde moram, no bairro de Santa Maria, para buscar um cavalo que Uenderson havia ganho de um primo, no bairro do Limoeiro.

Eduarda Ramos, amiga dos garotos, foi a última a falar com os jovens antes de irem buscar o animal: "Bilisco (apelido de Uenderson) me chamou para ir buscar um cavalo. Disse que o primo tinha dado e que não esperaria ele trazer, que sabia onde estava. Quando eu estava indo minha mãe me viu e me chamou. Aí não pude ir, foi ele e Felipe".

Os garotos saíram escondidos e, com a demora, os familiares começaram a colher informações e chegaram ao final de linha do Limoeiro, um local de mata fechada.

Lá receberam a informação de que os garotos foram vistos: "Uma testemunha disse que passou de carro e viu os garotos sendo agredidos por um homem. Felipe estava preso por uma chave de braço, enquanto o Bilisco estava com o rosto sangrando por causa de porradas", conta Nercivaldo Araújo Nascimento, pai de Felipe. Edna Souza, 59, avó de Uanderson, afirmou que passou o dia chorando: "Não durmo nem como desde sábado. Oro toda hora para ele e o amigo voltarem".