Edição do dia
Qua, 09/08/2017 | Atualizado em: 09/08/2017 às 05h00

Mais uma leva de coca é apreendida

Raul Aguilar
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Agentes da Receita Federal e do Núcleo Especial da Polícia Marítima da Polícia Federal encontraram ontem 15 bolsas de viagem abarrotadas de cocaína, pesando 441 kg. A droga estava dentro de um contêiner, carregado de madeira, que saiu do porto de Paranaguá (PR) e tinha como destino o porto de Antuérpia, na Bélgica.

A técnica utilizada pelos criminosos, conhecida como rip-off loading, consiste em violar um contêiner e esconder dentro dele as drogas, como explica o inspetor chefe da alfândega de Salvador, Luciano Maciel.

"Esses criminosos abrem o contêiner e colocam as drogas, geralmente em mochilas. Depois fecham o contêiner, anotam a numeração e passam a monitorar o deslocamento da carga. Sem que o importador e exportador tenham conhecimento", ilustrou.

Apesar de rudimentar, o método é bastante utilizado pelos narcotraficantes. "Esse método é muito utilizado, apesar de comportar um alto risco. Os portos no país têm vigilância 24 horas", explicou Maciel.

O aumento das apreensões sugere que o Brasil esteja se tornando uma porta de saída de drogas. "Notamos uma organização do narcotráfico para transformar o Brasil em plataforma de exportação para a Europa e isso não vamos permitir", concluiu.