Edição do dia
Ter, 08/08/2017 | Atualizado em: 08/08/2017 às 05h00

Matador da avó diz não lembrar de nada

Raul Aguilar
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

"É, deve ter sido. Não lembro, mas se todo mundo está dizendo, deve ter sido eu mesmo", respondeu Kayure Delano de Vasconcelos, 20, após ser questionado por um delegado se lembrava de ter assassinado a avó e ferido gravemente o avô com facadas e marteladas, horas após o homicídio. Na apresentação do caso, as delegadas Marta Karine Menezes e Milena Calmon, da DH Atlântico, que investigam o caso, disseram que a suspeita principal é de que o garoto estivesse sob efeito de entorpecentes no momento do crime. Um exame toxicológico foi feito e a polícia aguarda o resultado. Após cometer os crimes, Kayure cortou a rede da janela e se jogou do 4º andar. A polícia acredita que ele só sobreviveu porque caiu em cima do jardim do prédio. Na manhã de ontem Kayure teve uma audiência de custódia, que converteu a sua prisão provisória em preventiva, o encaminhando para o Complexo Penitenciário, na Mata Escura.