Edição do dia
Qui, 03/08/2017 | Atualizado em: 03/08/2017 às 05h00

Barbada, pai Deputados salvam pele de Temer

das agências
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Quando a bancada baiana começou a votar, o páreo já estava decidido em favor do presidente Temer. Entre os parlamentares da Bahia, 21 votaram contra o relatório que mandou arquivar a investigação por corrupção passiva e 17 a favor (confira lista abaixo).

Antes mesmo do placar final, o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy (PSDB), que reassumiu mandato na Câmara para reforçar a tropa de choque do Planalto, comemorou o resultado, que, para ele, mostra a "robustez" da base aliada.

Com a decisão, os deputados livraram Temer de responder no Supremo Tribunal Federal a processo que, se instalado, provocaria seu afastamento por até 180 dias. Agora, Temer responderá no STF somente após a conclusão do mandato, em 31/12/2018. Mas o procurador-geral Rodrigo Janot deverá apresentar outra denúncia contra Temer, por organização criminosa e obstrução de justiça.

As acusações se baseiam nas delações dos executivos da JBS. No processo avaliado ontem, estava em foco uma suposta propina de R$ 500 mil, destinada a Temer, que teria sido conduzida em uma mala pelo ex-deputado e ex-assessor do presidente, Rocha Loures (PMDB-PR), em março deste ano.

Logo após a votação, Temer afirmou que o resultado não foi uma "vitória pessoal", mas uma "conquista do Estado democrático de direito". Ele agradeceu aos deputados e prometeu dar continuidade às reformas.