Edição do dia
Qui, 18/05/2017 | Atualizado em: 18/05/2017 às 05h00

'Lampions' Super-Homem melhor que o Leão

Tiago Lemos
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Antes de a bola rolar, ontem, na Ilha do Retiro, qualquer torcedor tricolor entenderia que um empate com gols no Recife seria um bom resultado para o Bahia na partida de ida da decisão da Copa do Nordeste 2017.

O jogo terminou em igualdade de 1 a 1. O problema, no entanto, é que o Esquadrão foi superior ao Sport, que atuava diante de um estádio cheio e não fez a pressão esperada em boa parte do duelo.

Foram pelo menos duas chances de gol perdidas, além de um possível pênalti de Magrão em Allione não marcado e um gol mal anulado de Zé Rafael – Renê Júnior estava em posição de impedimento, mas não atrapalhou o goleiro rubro-negro.

Mesmo assim, o resultado é interessante porque o Bahia só vai precisar de um empate sem gols na próxima quarta-feira, na Fonte Nova, para garantir o tricampeonato regional.

Se a partida terminar 1 a 1, o título será decidido nos pênaltis. Empate por dois ou mais gols favorece os pernambucanos.

A famosa pressão ofensiva do time comandado por Guto Ferreira aconteceu nos minutos iniciais do jogo. Mesmo sem Régis - Juninho foi seu substituto -, o Bahia apertou a saída de bola do Sport e levou perigo.

O Leão da Ilha, contudo, começou a gostar do jogo e abusar da jogada aérea para chegar ao ataque. A zaga tricolor cometeu alguns vacilos e quase paga caro, mas a trave e Jean foram favoráveis ao tricolor (detalhes nos melhores momentos ao lado).

O Bahia melhorou no fim da primeira etapa – quando fez o gol anulado – e continuou na mesma batida quando começou o segundo tempo. Foi aí que o Juninho tricolor apareceu no jogo e soltou a bomba para abrir o placar.

O Sport, por sua vez, precisava pressionar para pelo menos empatar, e conseguiu. Escanteio, bola aérea, apagão tricolor e gol. O Juninho do Leão, que entrou na segunda etapa para substituir Everton Felipe, acertou cabeceio e arrancou o grito da torcida.

O empate por 1 a 1 manteve o pé quente do tricolor Luis Henrique, 32 anos, em jogos do Bahia fora de casa. Personagem de reportagem do MASSA! na edição de ontem, ele apoiou o Bahia na Ilha e comemorou o empate: "Bom resultado, apesar de o juiz ter anulado um gol legítimo. Em Salvador, iremos triunfar".