Edição do dia
Qua, 17/05/2017 | Atualizado em: 17/05/2017 às 05h00

Infância Proteger os pequenos é dever: não vacile!

Luana Almeida
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

No momento em que comemora-se o 17º ano de mobilização do Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, celelbrado em 18 de maio, o número de denúncias envolvendo este tipo de crime na Bahia reduziu 9% no comparativo dos últimos dois anos.

Os dados foram coletados por meio de registros do Disque 100 – serviço de comunicação contra violações de direitos humanos. De acordo com o órgão, em 2016, foram registradas 1.347 denúncias deste tipo provenientes do estado, 133 a menos do que foi contabilizado em 2015.

As denúncias registradas no estado correspondem a 7,69% das 17.523 chamadas recebidas por todo o país no ano passado e colocam a Bahia no terceiro lugar em número de chamadas, atrás apenas de São Paulo (2.598) e de Minas Gerais (1.489).

A redução no número de denúncias, no entanto, não significa necessariamente uma diminuição do número de casos, de acordo com o coordenador executivo do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente Yves de Roussan (Cedeca/Bahia), Waldemar Oliveira,

Na opinião do gestor, tal decréscimo reflete a redução nos investimentos em campanhas educativas contra violência sexual de crianças e adolescentes. "Trata-se, na realidade, de uma retração na concepção de ações educativas que demonstrem, de fato, a importância de denunciar casos de quaisquer violação dos direitos da criança e do adolescente", afirmou.