Edição do dia
Seg, 15/05/2017 | Atualizado em: 15/05/2017 às 09h58

Quando engolir é problema

Camila de Jesus*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

A disfagia é caracterizado pela dificuldade em engolir alimentos ou líquidos. De modo geral, decorre de problemas neurológicos, provocados por AVCs, traumatismos cranianos, Mal de Parkinson, entre outros, mas a falta de dentes também pode levar a essa condição.

Segundo a otorrinolaringologista Claudia Eckley, do Fleury Medicina e Saúde, engasgos frequentes demonstram que há algo errado. "Em geral, ocorrem durante as refeições", revela.

Sem o devido cuidado, o problema pode levar à desnutrição e desidratação. "Se não há deglutição, a absorção dos nutrientes fica comprometida", explica a especialista.

Além disso, existe o risco do paciente contrair pneumonia aspirativa, quando o alimento, ao invés de seguir para o estômago, segue para o pulmão.

Menos grave, mas não menos preocupante, a disfagia também contribui para o acúmulo de alimentos na boca, que determina o aparecimento de doenças bucais.

De acordo com a dentista Marina Esteves, da Dentina Odontologia, ao consumirem esses restos alimentares, microrganismos presentes na boca liberam enxofre, de odor desagradável. "O paciente também fica vulnerável a infecções, principalmente as causadas por fungos", alerta.

Para evitar tantas complicações, é preciso seguir à risca o tratamento, que será indicado após diagnóstico da causa da disfagia. "Pode ser feito com remédio, terapia fonoaudiológica ou até cirurgia", avisa Dr. Claudia.

* Sob a supervisão da editora-coordenadora Ana Paula Ramos.