Edição do dia
Sáb, 13/05/2017 | Atualizado em: 13/05/2017 às 05h00

Dupla Ba-Vi: a missão é ficar na elite

Alexandre Santos
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Bahia e Vitória estreiam amanhã no Brasileirão focados em virar a página de um incômodo dilema que os acompanha na era pontos corridos, iniciada em 2003: lutar para fugir do doloroso rebaixamento.

Depois de duas edições longe da elite, o Esquadrão de Aço retorna diante do Atlético-PR, às 4h da tarde, na Arena Fonte Nova. Já o Leão encara o Avaí, no mesmo horário, na Ressacada, em Florianópolis.

Meta em comum, ambos querem apagar o retrospecto de não passaram de meros coadjuvantes na elite e começar a 15ª edição do atual formato do torneio com novo fôlego e metas mais ambiciosas.

No sistema de pontos corridos, o tricolor foi rebaixado em duas oportunidades: em 2003 e 2014. Enquanto isso, o rubro-negro caiu para a Segundona três vezes: nos anos de 2004, 2010 e 2014.

Não bastasse o cai-cai, o time vermelho e preto divide com o Vasco o 1º lugar do ranking de clubes mais vezes tragados pelo temido Z-4 nos últimos 14 anos. A equipe azul, vermelha e branca, por sua vez, coleciona duas quedas de lá para cá.

Ainda que não tenham elenco tecnicamente à altura do certame, como citado nos mais diversos veículos de comunicação do País, tricolores e rubro-negros estão com discursos afinados quanto aos planos traçados para o torneio.

"A Série A é um campeonato que, na menor margem de erro, se perde uma partida. Não pode errar. Tem que entrar muito focado, porque as equipes que vêm nos enfrentar são muito fortes. Temos que esquecer a Série B. O nível é completamente diferente. Temos que nos adequar a esse nível", prega Eduardo, o lateral do Bahia.

Na Toca, o meia Cleiton Xavier, bi-brasileiro pelo Palmeiras, em 2016, adota tom semelhante. "Temos que ir jogo a jogo, passo a passo. São 38 rodadas. Todo jogo é muito difícil. Estar bem concentrados. Buscar, a cada rodada, o maior numéro de pontos possíveis, diz.

Publicidade