Edição do dia
Sáb, 13/05/2017 | Atualizado em: 13/05/2017 às 05h00

Dois lados Ser mãe é amar... e passar perrengue!

Euzeni Daltro
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Esqueça os comerciais de margarina e as publicidades sobre o Dia das Mães. As mudanças provocadas pela maternidade a tornam um dos momentos mais complexos na vida da mulher. Junto com o filho surgem alterações no corpo, na rotina e dilemas sobre a criação dos pequenos e a vida profissional.

Planejar o momento de ser mãe, cuidar de si antes, durante e depois da gestação e ter o apoio do(a) parceiro(a) é fundamental para enfrentar os desafios dessa fase com mais tranquilidade. "No início, é comum as mães tomarem a responsabilidade só para elas. Mas é importante que o(a) companheiro(a) esteja presente para apoiá-la e dividir as responsabilidades", afirma a psicóloga Arleide Meneses.

Mudanças tão intensas podem levar muitas mulheres a desenvolver doenças como a depressão pós-parto. Segundo a psicóloga, o contato com o cotidiano de outras mãe pode ajudar. "A informação é necessária para o enfrentamento e não adoecimento", diz Arleide.

Em algumas mulheres, o desejo sexual aumenta durante e depois da gestação. Em outras, a libido some. Isso se deve às alterações hormonais e emocionais. "Algumas sonham tanto em ser mães que acabam escondendo a sexualidade. Quando esse aspecto não é estimulado, ele é cessado", explica a sexóloga Paula Milena. Ela ressalta que ter um olhar positivo e alegre sobre as mudanças no corpo contribui para evitar a diminuição do desejo. "A mulher precisa aprender que foi feita para ter vários papéis. Ao virar mãe, as outras funções não podem ser deixadas de lado, incluindo o sexual", completou a sexóloga.

O presidente da Associação de Obstetrícia e Ginecologia da Bahia, Carlos Lino, afirma que uma gravidez planejada, desejada e com acompanhamento pré-natal são condições indispensáveis para uma transição saudável e tranquila. "A melhor forma de se preparar para a maternidade é ter a consciência de que vai ter um filho", conclui.

* Colaborou com os personagens Aina Soledá, sob a supervisão da editora-coordenadora Ana Paula Ramos.