Edição do dia
Sex, 12/05/2017 | Atualizado em: 12/05/2017 às 05h00

Greve Rodoviários podem parar

Anderson Sotero
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Rodoviários aprovaram, em assembleia na manhã de ontem, estado de greve da categoria. A previsão é que, se não houver negociação com os empresários, eles suspendam as atividades. É necessário, no entanto, cumprir o prazo de 72 horas antes da paralisação. À tarde, uma segunda reunião dos trabalhadores confirmou em votação a decisão tomada pela manhã.

Após a assembleia da tarde, cerca de mil rodoviários, estimativa do sindicato, caminharam da Ladeira dos Aflitos até a prefeitura, Praça Municipal.

Segundo o presidente do sindicato dos rodoviários, Hélio Ferreira, a decisão decorre da campanha salarial 2017/2018, iniciada em 28 de março, quando foi entregue aos empresários a pauta de reivindicações: aumento pela inflação e mais 5% de ganho real, tíquete refeição de R$ 20 por dia, plano de saúde pago pelos empresários – hoje os trabalhadores pagam 30% -, além do fim da dupla função de motoristas, quando dirigem e cobram a passagem.

Ferreira contou que, após cinco rodadas, a negociação está "travada". "A gente espera que a Semob chame os empresários para fazer uma contraproposta e destrave essa negociação", disse.