Edição do dia
Qua, 10/05/2017 | Atualizado em: 10/05/2017 às 05h00

Em harmonia com o tempo

Débora Souza*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Todo mundo quer chegar à velhice tendo uma convivência harmoniosa e prazerosa com amigos e, principalmente, familares. De maneira geral, o ser humano sente a necessidade de ter apoio de quem o cerca, independente da fase em que ele se encontra, mas quando idoso, essa carência aumenta e requer mais atenção.

Segundo o gerontólogo do Centro de Referência Estadual de Atenção à Saúde do Idoso (Creasi), Waldmir Silva, atenção, carinho e apoio nas atividades em que o idoso não possa realizar sozinho são expressões benéficas à saúde e bem-estar emocional nessa fase da vida. "Muitos idosos adoecem devido à solidão, à desatenção de familiares e amigos. Afeto é um componente essencial para se ter mais saúde", alerta.

Para a psicóloga Luciana Caldas, manter uma boa convivência com o idoso requer a compreensão e respeito dos limites físicos e cognitivos, naturais do processo de envelhecimento.

"A interação é extremamente favorável para o idoso. O contato com outra pessoa gera uma sensação de conforto, de não se sentir sozinho. O interesse por sua vida, suas histórias, faz com que o idoso se sinta motivado, útil e feliz", afirma.

* Sob a supervisão da editora-coordenadora Ana Paula Ramos.

Publicidade