Edição do dia
Seg, 08/05/2017 | Atualizado em: 08/05/2017 às 05h00

Invicto Na pegada do tudo nosso, nada deles

Juliana Lisboa
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Não foi com uma grande exibição ou goleada, mas o Vitória conseguiu o seu principal feito na temporada: o bicampeonato Baiano. E o melhor: invicto.

Segundo o meia Cleiton Xavier, algo muito bem-vindo para acalmar os ânimos em um clube que vem passando por mares pouco tranquilos. "Esse título vem a calhar. Está todo mundo de parabéns. Foi um título merecido por tudo que a gente fez. E é claro que a gente espera que seja só o começo", disse o jogador.

As provocações com o rival também fizeram parte da comemoração. Antes do jogo, os torcedores apareciam com varas de pescar e apelidos pejorativos escritos em sardinhas de cartolina. Até mesmo as animadoras de torcida incluíram na coreografia uma brincadeira envolvendo a "pescaria".

Após a partida, no momento da entrega do troféu, o goleiro reserva Caíque pegou uma vara de pescar com uma sardinha de cartolina e brincou na frente dos colegas. Apesar do sarro, os atletas preferiram exaltar a festa da torcida, que transformou o Barradão num caldeirão rubro-negro.

"A torcida começou empurrando a gente já na saída da concentração. A gente teve só que mostrar nosso trabalho. Isso aqui também foi pra eles, pra essa torcida maravilhosa", frisou o goleiro Caíque, que homenageou o técnico Argel Fucks, demitido na semana passada. "Dedico esse título a Argel [Fucks, ex-técnico], disse.

Em entrevista à Transamérica, o presidente Ivã de Almeida confirmou que o clube negocia com o treinador Ricardo Gomes, atualmente sem clube. "Até quarta ou quinta teremos o nome", garantiu Almeida.

Publicidade