Edição do dia
Seg, 01/05/2017 | Atualizado em: 01/05/2017 às 05h00

Caldeirão do Baêa ferve o Leão

Tiago Lemos
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

O Esquadrão só precisou de um Ba-Vi, o de ontem, para superar as derrotas diante do arquirrival, que aconteceram na primeira fase do Baianão e no jogo de ida da semifinal da Copa do Nordeste.

A equipe comandada por Guto Ferreira fez sua melhor partida da temporada, não deu chance ao Vitória e comemorou com uma torcida 100% azul, vermelha e branca na Arena Fonte Nova, no clássico que foi o segundo com torcida única – o primeiro do Bahia como mandante.

Os mais de 34 mil tricolores foram fundamentais para o resultado: apoiaram o tempo inteiro e vaiaram a cada toque na bola do time rubro-negro.

O triunfo por 2 a 0 foi suficiente para garantir a classificação à final do Nordestão – jogo de ida havia terminado 2 a 1 para o Vitória –, mas o volume de jogo apresentado pelo Bahia mereceu um placar mais favorável.

Fernando Miguel fez pelo menos duas boas defesas e evitou um vexame para o Vitória. O clube comandado por Argel Fucks começou a partida fechado lá atrás. A intenção era explorar os contra-golpes e pegar o adversário de surpresa, mas a estratégia parou na boa marcação tricolor.

No primeiro tempo, a maioria das sobras ficou com o tricolor, que teve muita vontade, mas pouca inspiração para marcar.

Sem Hernane, machucado, e Gustavo, suspenso, Guto Ferreira colocou Edigar Junio como centroavante e deu chance a Zé Rafael no time titular. Quem brilhou, porém, foi Allione. O argentino deu trabalho aos marcadores e recebeu passe de Régis para acertar um lindo chute de perna esquerda, de fora da área, sem chance para Fernando Miguel.

Na etapa final, foi Régis quem fez o gol da classificação. A zaga rubro-negra assistiu a um cruzamento de Eduardo cortar parte da área e parar nos pés do canhoto. A empolgação era tanta que o meia foi comemorar com a torcida. Aí, recebeu o segundo amarelo e foi expulso.

O mesmo aconteceu com Patric logo depois, mas por causa de uma discussão com Armero. No dez contra dez, o Vitória tentou fazer o gol que levaria a partida para os pênaltis, reclamou de pênalti de Lucas Fonseca em Gabriel Xavier, mas mostrou-se pouco criativo para diminuir.

Agora, o Bahia aguarda o duelo Santa Cruz x Sport, que será disputado nesta quarta-feira, para saber quem vai ser seu adversário na final do Nordestão. No jogo de ida deu Santa, e fora de casa: 2 a 1.