Edição do dia
Sáb, 29/04/2017 | Atualizado em: 29/04/2017 às 05h00

Reformas Temer diz que não vai recuar

das agências
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Não houve greve geral, mas manifestações "dispersas e pontuais". Esta é a avaliação do presidente Michel Temer e seus auxiliares diretos sobre o dia de protestos contra as reformas Previdenciária e Trabalhista, convocados pelas centrais sindicais. Foram registrados atos em 230 cidades, incluindo todas as capitais e o Distrito Federal.

Temer disse a auxiliares que não cogita abandonar a agenda de reformas. "Não haverá recuou", garantiu. O presidente repete que o esforço será recompensado com a volta da prosperidade econômica e dos empregos.

O ministro da Justiça, Osmar Serraglio, criticou duramente as manifestações. "Foram pífias, não tiveram a expressão que se imaginava ter", disse.

Por nota, a Força Sindical informou que 40 milhões de pessoas aderiram aos protestos e que espera que o governo ouça as vozes das ruas e passe a negociar. "Temos propostas viáveis para que o País retome o seu crescimento econômico, sem a perda de direitos", diz a nota.