Edição do dia
Sex, 28/04/2017 | Atualizado em: 28/04/2017 às 05h00

Trabalho inseguro

Camila de Jesus*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

No Dia Mundial da Saúde e da Segurança do Trabalho, celebrado hoje, o Brasil não tem muito o que comemorar. O país está em quarto lugar no números de acidentes de trabalho no mundo, ficando atrás apenas da China, Índia e Indonésia.

Segundo a médica do trabalho Marianne Sobral, o problema não está na legislação, que dispõe de 36 normas reguladoras. "A ausência de fiscalização, o desconhecimento ou a falta de verba são fatores que levam as empresas a não implantar a medicina ocupacional ou não cumprir as normas", acredita.

Luís Claudio Souza, 31, sentiu na pele o peso da desinformação. "Sofri um acidente de moto quando me dirigia ao trabalho. Recebi o auxílio doença, mas não como se fosse acidente de trabalho. Fui lesado por falta de conhecimento", conta.

No ambiente laboral, a falta de ergonomia - o estudo das condições de trabalho, como mobiliário, temperatura do ambiente e poluição visual - também costuma fazer estragos significativos. A estudante Aline Goes, 20, que o diga. "Trabalhava como operadora de telemarketing e sentei em uma cadeira com encosto quebrado. Resultado: machuquei a coluna e precisei fazer fisioterapia durante seis meses. Felizmente não tive sequelas", disse.

* Sob a supervisão da editora-coordenadora Ana Paula Ramos.