Edição do dia
Qui, 20/04/2017 | Atualizado em: 20/04/2017 às 05h00

Barril! Sítio em Atibaia não dá descanso

das agências
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

O delator Emyr Costa, engenheiro da Odebrecht responsável pela obra do sítio de Atibaia (SP), frequentado pela família do ex-presidente Lula, disse, em depoimento, que ajudou a elaborar um contrato falso para esconder que a empreiteira havia feito a reforma. Costa acrescentou que comprou um cofre para guardar R$ 500 mil repassados, em espécie, pelo departamento de propina da Odebrecht para bancar a obra.

"Semanalmente eu separava mais ou menos R$ 100 mil e entregava ao Frederico (Barbosa, engenheiro na obra) que, por sua vez, entregava ao senhor Aurélio para fazer os pagamentos", afirma. 'Aurélio' é, segundo o delator, Rogério Aurélio Pimentel. Costa disse não saber de quem se tratava à época da obra, mas depois ficou sabendo de que era um assessor da Presidência da República.

OInstituto Lula nega: "Os procuradores da Lava Jato sabem que o sítio não pertence e nunca pertenceu a Lula e que ele não pediu nem autorizou ninguém a pedir que fossem feitas reformas".

Publicidade