Edição do dia
Qua, 19/04/2017 | Atualizado em: 19/04/2017 às 05h00

Aposentadoria Mulherada vai trabalhar menos

das agências
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Foi adiada para hoje a leitura do relatório do deputado Arthur Maia (PPS-BA) sobre o projeto de reforma da Previdência. Com alterações em 10 pontos da proposta enviada pelo governo Temer, o novo texto será avaliado na Câmara dos Deputados. Uma das medidas mais polêmicas foi modificada - a idade mínima da aposentadoria das mulheres caiu de 65 anos para 62. Outro item que gerou muito debate também foi flexibilizado: para ter aposentadoria integral, trabalhadores terão que contribuir por 40 anos, nove a menos do que previa o texto original.

A regra de transição também mudou. Inicialmente, ela valia para homens acima de 50 anos e mulheres a partir de 45, sendo que essas pessoas pagariam 'pedágio' de 50% sobre o tempo restante para a aposentadoria (35 para homens e 30, mulheres). Agora, o 'pedágio' será de 30%. Para aposentadoria por tempo de serviço, a idade mínima será de 53 (mulheres) e 55 (homens). Maia definiu a aposentadoria dos trabalhadores rurais com 60 anos e 20 de contribuição para os que atuam na economia familiar.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que 70% do texto original serão mantidos, o que garante a economia pretendida pelo governo.

Publicidade