Edição do dia
Ter, 18/04/2017 | Atualizado em: 18/04/2017 às 05h00

Bahia A sofrência de Wellington

Daniel Dórea
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

São mais de três meses de clube e apenas três partidas disputadas. Uma das principais contratações feitas pelo Bahia para esta temporada, o lateral-direito Wellington Silva não consegue se livrar de um problema no joelho e viveu seus poucos momentos com a camisa tricolor só quando a equipe reserva foi escalada.

Wellington sofre de uma inflamação no joelho, chamada sinovite, o que teoricamente seria um problema normal e com o qual um atleta de alto rendimento poderia conviver. Porém, ele vem sofrendo com as dores e não se coloca à disposição do técnico Guto Ferreira.

Por conta disso, e da possibilidade de realização de cirurgia, há a chance de o contrato com o lateral – emprestado pelo Fluminense até dezembro – ser rescindido. Ontem, o vice-presidente do Bahia, Pedro Henriques, comentou o assunto no Programa do Esquadrão.

"Não há ainda uma definição sobre a necessidade de cirurgia. Quando houver, o clube dará uma posição", despistou o dirigente, que completou: "Wellington está no Rio, fazendo consultas a profissionais. O que o departamento médico do Bahia nos passou é que ele tem um desgaste normal no joelho, menor até se comparado ao de outros jogadores. Era para ser tolerável, mas a dor é subjetiva".

De acordo com Henriques, os especialistas do Bahia constataram os desgastes nos exames pré-assinatura de contrato, mas entenderam que isso não o impediria de atuar. O clube não disponibilizou seus médicos para falar sobre o assunto, mas a reportagem entrou em contato com Daniel Araújo. Segundo ele, Wellington sofre de um "problema comum", mas ele argumentou não estar atualizado sobre a situação e sugeriu que o coordenador médico do Bahia, Luiz Sapucaia, fosse contactado, mas este não atendeu às ligações.