Edição do dia
Sáb, 15/04/2017 | Atualizado em: 15/04/2017 às 05h00

Donzelas Resenha solidária na Sexta-feira da Paixão

Camila de Jesus*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

O bloco de travestidos As Donzelas do Curuzu sacudiu as ruas da Liberdade. Os participantes estavam caracterizados de Pfem, as policiais femininas, com direito a cassetetes, algemas, coturno e, claro, muita irreverência. A concentração foi na Rua Paulo e o bloco seguiu pela Rua da Alegria, descendo a Ladeira do Curuzu.

Tudo começou em 2011, com o Baba de Saia, que depois ganhou o reforço de um carro de som. Para os moradores, a festa é alegre, sem violência. Ruben Coutinho conta que a brincadeira vingou e ocorre tudo na paz. "A festa é muito, tranquila", diz ele. Outros moradores reclamam da falta de apoio dos governantes. "A iniciativa é legal, reúne os moradores do bairro mesmo, mas falta investimento, no quesito segurança", disse uma moradora, que preferiu não se identificar.

Para os custos da fantasia e adereços, foi cobrada uma taxa de R$ 25, mas a galera foi muito solidária e aproveitou o clima de fraternidade e união da Páscoa para ajudar o próximo. Além da taxa, os organizadores solicitaram de cada componente das Donzelas um quilo de alimento. O que for arrecadado será doada para a Organização de Auxílio Fraterno (OAF), na Rua do Queimadinho, no bairro da Lapinha.

* Sob a supervisão da editora-coordenadora Ana Paula Ramos.

Publicidade