Edição do dia
Sex, 14/04/2017 | Atualizado em: 14/04/2017 às 05h00

Copa do Brasil Leão cochila e apanha na Toca

Davi Fonseca
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

"Na Copa do Brasil o importante é fazer gol e não sofrer", disse o técnico Argel Fucks, antes de o Vitória entrar em campo, ontem à noite, no Barradão. As palavras do treinador, até então, harmonizavam com o comportamento de uma equipe que não perdia havia 18 partidas. O último revés tinha sido em fevereiro, diante do Botafogo-PB, pela Copa do Nordeste. Ontem, ao levar 2 a 0 do Paraná, no primeiro duelo da quarta fase do torneio, os dizeres de Argel acabaram caindo por terra.

No confronto de volta, na próxima quarta-feira (19), em Curitiba, o tricolor da Vila poderá perder eté por um gol de diferença que conquistará a classificação para as oitavas de final da competição nacional. O Leão, por sua vez, precisa vencer por três tentos de vantagem ou por dois, caso o placar seja acima de 2 a 0. A repetição do resultado de Salvador, favorável ao rubro-negro, levará a decisão para os pênaltis.

Embora tenha entrado na partida sem poder contar com Kieza, um dos principais jogadores do grupo, o time baiano dominou parte do primeiro tempo. Tal protagonismo, porém, não se converteu em bola na rede.

Foi aí que o Paraná entrou em cena. Aos 48, Airton aproveitou vacilo da defesa do Vitória em cobrança de escanteio e inaugurou o marcador. "É o futebol, normal. O time deles está amarrando o jogo, conseguiram marcar nessa última bola. Vamos procurar a vitória" lamentou Patric, lateral do Leão, a caminho do vestiário.

No retorno para a etapa derradeira, Guilherme Biteco entrou em campo e se tornou o nome do Paraná. O meia segurou o jogo, puxou contra-ataques para o tricolor e marcou o segundo gol da partida, aos 43 do segundo tempo. Ele recebeu bola de Diego Tavares na entrada da área, driblou Euller e bateu cruzado, sem chance para Fernando Miguel. Na comemoração, Biteco homenageou o irmão, Matheus Biteco, um dos mortos na tragédia com a delegação da Chapecoense, em novembro do ano passado. Apesar do bom retrospecto recente, a torcida do Leão vaiou a equipe.

* Sob a supervisão da editora-coordenadora Ana Paula Ramos.

Publicidade