Edição do dia
Sáb, 08/04/2017 | Atualizado em: 08/04/2017 às 05h00

Resenha coloca tempero no Ba-Vi

Alexandre Santos
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

O Ba-Vi de amanhã, às 4h da tarde, na Fonte Nova, marca o retorno da torcida mista em torno de uma única expectativa: a de que tricolores e rubro-negros façam uma festa pacífica nas arquibancadas e deixem a rivalidade para além das quatro linhas.

Embora não signifique tanto para a sequência do Baianão, o primeiro embate da temporada é encarado de ambos os lados como uma final de campeonato. Líder absoluto do torneio, com 27 pontos e 100% de aproveitamento, o Leão vai pisar na Arena com um melhor retrospecto desde que o estádio foi reaberto, em 7 de abril de 2013. Dos 11 confrontos ocorridos ali, foram cinco triunfos para o Vitória, contra quatro do tricolor – houve dois empates.

No último duelo, pela final do Estadual do ano passado, o Bahia – vice-líder nesta edição, com 21 pontos – até fez 1 a 0 com Feijão, mas o rubro-negro tinha a vantagem e sagrou-se campeão do torneio.

Fora de campo, apesar da mística de que não há favoritos em clássicos, há quem aposte as fichas no triunfo dos seus times de coração. "Minha expectativa é que o Bahia vença, claro. Serão dois gols do Brocador [Hernane]", arrisca o empresário Márcio Sampaio, 34, que avalia o resgate do espaço dedicado às duas torcidas como algo positivo.

"Acho que será ótimo para reviver os momentos antigos, em que a galera ia na paz, torcia todo mundo junto, sem brigas. Espero que as organizadas, principalmente, se conscientizem que é apenas um jogo", frisa. Não tivesse o plano anual do setor Lounge, Márcio diz que até ficaria junto e misturado na mista. E provoca: "Só não ficaria ao lado de um torcedor do vice".

Sócio e irmão dele, o também empresário João Paulo, 36, devolve na mesma moeda. "Se eu quisesse assistir ao jogo misturado com as sardinhas, ia para o Mercado do Peixe", cutuca ele, que crava o placar de 2 a 0 para o Leão.