Edição do dia
Qua, 05/04/2017 | Atualizado em: 05/04/2017 às 05h00

Adolescente é gente!

Débora souza
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

A transição para a vida adulta, a fadada adolescência, costuma ser uma fase bastante complicada entre pais e filhos. E a falta de comunicação, de um modo geral, é a principal causa dos conflitos.

A cabeleireira Romilda Aparecida conta que a relação com sua filha Luana, de 14 anos, costuma ser bastante difícil principalmente por conta das redes sociais. "Sou contra algumas postagens que ela costumar fazer. Tento conversar, mas ela resiste e até já me excluiu de suas contas", revela.

A jovem tem uma justificativa para seu comportamento. "Não me sinto bem quando ela chama minha atenção na frente dos meus amigos ou se manifesta nas minhas páginas nas redes sociais. Fico constrangida e me sinto 'monitorada'", declara.

A saída para esse impasse, segundo a psicóloga Patrícia Guimarães, passa pelo reconhecimento dos pais de que o adolescente tem personalidade e pensa de um jeito que nem sempre é o mesmo deles. "O respeito deve existir sempre. O importante é que os pais estabeleçam uma relação de confiança com os filhos", salienta.

Para isso, a psicóloga Edimaria Profeta, especialista em relações entre pais e filho, indica que a família realize atividades conjuntas, que agradem a todos e abram a oportunidade de um conhecer melhor o outro. "Assim, gradativamente, o filho pode reconhecer nos pais adultos nos quais pode confiar seus anseios e dúvidas", finaliza.

Publicidade