Edição do dia
Ter, 04/04/2017 | Atualizado em: 04/04/2017 às 05h00

Caso VR3: hoje tem julgamento

Redação e Agências
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Acontece hoje, em Lausanne, na Suíça, a audiência sobre o caso Victor Ramos na Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês). Tanto o Vitória como o Internacional têm na equipe jurídica advogados brasileiros e estrangeiros.

Para hoje, a CAS estima que a audiência com os advogados do Inter, do Vitória e da CBF pode levar sete horas. Mas uma decisão não deve ser anunciada no mesmo dia.

Entre as possibilidades de veredicto, os árbitros podem simplesmente punir o Vitória com uma multa e a retirada de pontos. Mas também podem só ordenar ao STJD que reabra o caso e examine as provas de ambas as partes.

"O Vitória está empenhado no assunto e consideramos que o clube não praticou ato irregular. O clube tem adotado todas as medidas para impedir qualquer revés neste julgamento. Achamos absurda a postura do Internacional de tentar reverter o resultado em campo através de uma manobra jurídica", disse o diretor jurídico do Vitória, Augusto Vasconcelos.

De acordo com o dirigente, a CAS deve inocentar o rubro-negro e mantê-lo na Série A, pois "o clube não praticou irregularidade".

Rebaixado na edição do Campeonato Brasileiro do ano passado, o Colorado alega que o Vitória entrou em campo com o zagueiro Victor Ramos de forma irregular, depois de não tê-lo registrado como uma transferência internacional.

Se comprovado, o Leão pode ser punido com a perda de pontos e, assim, entraria na lista dos rebaixados no Brasileiro, no lugar do Inter.

No Brasil, o caso foi arquivado. O STJD ainda entendeu que os documentos apresentados pelo Inter estavam adulterados: e-mails e outras comunicações.

Mas o clube de Porto Alegre foi até as instâncias superiores e conseguiu convencer a CAS a antecipar o julgamento para antes da disputa do Brasileirão.

Publicidade