Edição do dia
Qui, 23/03/2017 | Atualizado em: 23/03/2017 às 05h00

Bancada do bicho começa a 'causar'

da redação
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Um projeto da vereadora Marcelle Moraes (PV) prevê a criação do primeiro cemitério público para animais em Salvador. Já aprovado pela Câmara Municipal, o texto seguirá para apreciação do prefeito ACM Neto. Segundo a vereadora, atualmente os únicos cemitérios existentes são privados e custam, em média, entre R$ 200 e R$ 380. Ainda assim, o projeto gera polêmica.

Para a professora da Escola de Veterinária da Ufba, Daniela Larangeira, um cemitário não é prioridade, e sim questões como ampliação do programa de castração, disponibilização de vacina e uma instituição de tratamento animal, que auxiliaria também na prevenção da saúde da população.

Para a ativista da causa animal, Patruska Barreto, a cremação é a tendência ecologicamente mais correta. "Em tempos em que a legislação ambiental proíbe a construção de novos cemitérios justamente por ser fonte de contaminação de lençóis freáticos é um espanto, para mim, esse projeto", dispara